Orígenes

by Amin Maalouf | Literature & Fiction |
ISBN: Global Overview for this book
Registered by anamae on 1/12/2006
Buy from one of these Booksellers:
Amazon.com | Amazon UK | Amazon CA | Amazon DE | Amazon FR | Amazon IT | Bol.com
4 journalers for this copy...
Journal Entry 1 by anamae on Thursday, January 12, 2006
Dá-nos a conhecer as raizes do autor.

Journal Entry 2 by anamae on Sunday, February 18, 2007
Bookring iniciado em 18/02/2007:

1-celtinca->está aqui
2-Arvores
3-irusdodot
4--Claudia-

Journal Entry 3 by celtinca on Tuesday, March 27, 2007
Já recebi e ando a ler entusiasticamente. adoro ler biografias, conhecer as origens das pessoas. vou tentar ser breve.

Journal Entry 4 by wingArvoreswing from Porto Santo (ilha), Madeira Portugal on Thursday, July 05, 2007
Chegou hoje. Faz parte da chuva de BookRings que começou esta semana. Gostei muito das pratas de chocolate estendidas entre páginas. Fez-me lembrar gestos da infância. Criei muita expectativa em relação a este livro porque gosto muito de biografias e de Maalouf. Logo direi como o vivi. Abraços.

Journal Entry 5 by wingArvoreswing from Porto Santo (ilha), Madeira Portugal on Wednesday, August 22, 2007
Gostei muito deste livro, como tenho gostado de todos os livros de Maalouf. Mas este é diferente; é uma reconstrução dos caminhos percorridos pelos antepassados do autor, caminhos que ele descobre com ternura e que, por vezes, preenche com resignação.
Não querendo ser abusivo, permito-me transcrever uma (enorme) passagem de uma percepção que me tocou especialmente:
(…) “ A presença das pessoas velhas é um tesouro que desperdiçamos com mimos, bajulações e conversa fiada, e acabamos depois por ficar para sempre com a sensação de nunca termos satisfeito a nossa fome; atrás de nós, caminhos imprecisos, que se delineiam por um breve momento, mas depois se perdem na poeira.
Alguns pensarão: e daí? Que necessidade temos nós de conhecer os nossos avós e bisavós? Deixemos os mortos enterrar os mortos, segundo a fórmula já gasta, e tratemos da nossa própria vida!
Não temos qualquer necessidade, é verdade, de conhecer as nossas origens. Nem os nossos netos têm a necessidade de saber o que foi a nossa vida. Cada um atravessa os anos que lhe foram concedidos, e depois adormece no seu túmulo. Que vantagem há em pensar naqueles que vieram atrás de nós, já que para nós eles não são ninguém? E de que serve pensar nos que virão a seguir, já que para eles nós não seremos ninguém? Mas então, se tudo está votado ao esquecimento, por que é que fazemos coisas e por que fizeram coisas os nossos antepassados? Por que é que nós escrevemos e por que é que eles escreveram? Sim, nesse caso, para quê plantar árvores e para quê ter filhos? De que serve lutar por uma causa, de que serve falar de progresso, de evolução, de humanidade, de futuro? De tanto privilegiar o momento vivido, deixamo-nos cercar por um oceano de morte. Pelo contrário, ao reanimar o tempo passado, alargamos o espaço de vida” (…)
Peço muita desculpa. Sei que não é suposto pormo-nos pr’aqui a transcrever livros, mas não resisti. É uma delícia. É bom que nos ponhamos a pensar.
É também uma delícia a passagem do autor por Cuba, as descrições dos dias lá passados e a sensibilidade daquele povo, as paisagens, as sensações, dão-nos vontade de apanhar o primeiro avião e nunca mais voltar. Nem tudo são rosas, eu sei, mas sou um sonhador, o que se há-de fazer?
Amin Maalouf frui essencialmente o percurso do avô paterno e de uma preciosidade, a correspondência deste, para retratar de forma tão fiel quanto possível, alguns dos episódios das suas origens. Mais uma vez, obrigado Sr. Maalouf. E obrigado, também, anamae, por mais um excelente livro.
Acho curioso o facto de ter terminado de o ler hoje, dia do 71º aniversário do meu pai.
Abraços.

Journal Entry 6 by irus from Bragança, Bragança Portugal on Thursday, August 30, 2007
Chegou hoje. vai para a pilha TBR mas espero não demorar muito a ler.

Journal Entry 7 by irus from Bragança, Bragança Portugal on Friday, November 02, 2007
Talvez por estar numa fase de muito trabalho e pouco tempo para ler. Talvez porque tenho outros livros "apetitosos" há espera de serem lidos. O que é certo é que, apesar de gostar de todos os livros do Amin Malouf que li, esta obra não me cativou por aí além.
Ficou a meio...

Tentei contactar a -claudia - através de PM e com mensagens no fórum mas não obtive resposta. Livro segue hoje de regresso a casa.

Journal Entry 8 by anamae on Wednesday, November 07, 2007
Chegou a casa bem de saúde.
Obrigada a todos que o leram.
Disponham sempre! :)))

Are you sure you want to delete this item? It cannot be undone.