Uma Viagem à Índia

by Gonçalo M. Tavares | Literature & Fiction | This book has not been rated.
ISBN: 9789722121309 Global Overview for this book
Registered by conto of Lisboa (city), Lisboa (distrito) Portugal on 5/7/2019
Buy from one of these Booksellers:
Amazon.com | Amazon UK | Amazon CA | Amazon DE | Amazon FR | Amazon IT | Bol.com
1 journaler for this copy...
Journal Entry 1 by conto from Lisboa (city), Lisboa (distrito) Portugal on Tuesday, May 07, 2019

"Uma arrojadíssima obra literária a que é impossível ser indiferente. Gonçalo M. Tavares, um dos mais conceituados escritores portugueses da actualidade, propõe uma Epopeia portuguesa para o séc. XXI. Com o melhor da argúcia, lucidez e ironia a que Gonçalo M. Tavares já nos habituou, Uma Viagem à Índiarelata-nos a viagem existencial de um homem -um herói, Bloom -, um português que «procurará o impossível: encontrar a sabedoria enquanto foge; fugir enquanto aprende.» Ou uma mulher..."

Prémio SPA/RTP para a melhor ficção narrativa 2011
Prémio Ler/Blogtailors Melhor Livro
Prémio SPA Melhor Ficção Narrativa
Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (APE)
Prémio Fernando Namora 2011

Eduardo Lourenço, no prefácio ao livro :
«A singular e provocante Viagem à Índia de Gonçalo M. Tavares não é, contudo, a epopeia desta espécie de terra de ninguém do sentido, em que o Ocidente se converteu, mas a travessia e o confronto, ao mesmo tempo intemerato e burlesco, desse caos, não para descobrir nele uma mítica porta de saída mais ilusória ainda que as já conhecidas, mas para encarar a sério o seu paradoxal enigma. É apenas, num travestimento sem precedentes do texto epopaico (Os Lusíadas, a seu modo também é já texto de decepção, por conta da realidade), uma viagem ao fim do nosso fabuloso presente como glosa interminável da existência como tédio de si mesma. Partindo como Gama de Lisboa, e diferindo o mais que pode e sabe, como Ulisses, não o regresso, mas o “fim” da Viagem, Bloom, o seu tão célebre e literário herói, não contemplará (como a humanidade inteira) a face de Deus ou as pegadas de Deus, que no espelho da Índia imaginava contemplar, mas não volverá o mesmo. Agora sabe o que já pressentia. Que não viajamos para nenhum paraíso. Que todas as viagens são sempre um regresso ao passado de onde nunca saímos.»

Journal Entry 2 by conto at Lisboa (city), Lisboa (distrito) Portugal on Tuesday, May 07, 2019
Apesar de há muito tempo na estante, à espera de tempo para ser lido, acabou por ser agora registado para empréstimo à marialeitora, que o procurava.
Espero que na volta lhe consiga finalmente pegar!
______

Não chegou lá; veio devolvido e como já não ia a tempo, voltou para a estante, pobre coitado.

Are you sure you want to delete this item? It cannot be undone.