O CÓDIGO DA CABALA

by Nathan Erez | Romance |
ISBN: 9723323346 Global Overview for this book
Registered by SARASC of São Pedro da Cova, Porto Portugal on 12/13/2018
Buy from one of these Booksellers:
Amazon.com | Amazon UK | Amazon CA | Amazon DE | Amazon FR | Amazon IT | Bol.com
This book is in the wild! This Book is Currently in the Wild!
3 journalers for this copy...
Journal Entry 1 by SARASC from São Pedro da Cova, Porto Portugal on Thursday, December 13, 2018
Um thriller apaixonante.

Journal Entry 2 by PaiNatal at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Saturday, December 15, 2018
Mais um misterioso romance a viajar no trenó do PaiNatal. Onde irá ele parar? HO HO HO!

Journal Entry 3 by wingcontowing at Lisboa (city), Lisboa (distrito) Portugal on Saturday, December 22, 2018


A acompanhar "O Último Cabalista de Lisboa" do Zimler, a madrinha-Sarasc mandou este "thriller inovador"... A ler em breve... ;)
Obrigada, bom natal e bom 2019 por aí!!

Journal Entry 4 by wingcontowing at Lisboa (city), Lisboa (distrito) Portugal on Saturday, January 05, 2019

Em definitivo, um livro que não me agarrou e com o qual não vou "perder" mais tempo (na perspectiva de haver tanta, tanta coisa que gostaria efectivamente de ler).

A única parte que li na totalidade foram as notas históricas introdutórias a cada capítulo e referentes às conquistas de Jerusalém pelas mais diversas civilizações. Agora por ordem cronológica e alterada e acrescentada com alguma informação não incluída ali:

- Conquista pelo Rei David - aos Jebuseus, +/- 1000 a.c, fazendo dela a capital do Reino Unido de Israel e Judá. David foi sucedido pelo filho Salomão que construiu o Templo Sagrado, Templo de Salomão ou Primeiro Templo, como depois ficou conhecido.
- Conquista pelos Assírios - conquista do Reino de Israel em 722 a.c.
- Conquista pelos Babilónios - em 586 a.c. Nabucodonosor acabou com a crença prevalecente então, de ser impossível tomar Jerusalém aos Judeus e ordenou a destruição da muralha exterior da cidade e de todos os edifícios importantes da cidade, incluindo o palácio real e o Templo. Forçou ainda a elite a exilar-se na Babilónia, originando aí o nascimento de um novo centro cultural dos judeus. Após cinquenta anos de exílio na Babilônia, o xá do império Aqueménida, Ciro, o Grande, convida os judeus a regressarem a Judá e Jerusalém e reconstruírem o Templo, concluída em 516 a.c., durante o reinado de Dario, o Grande, setenta anos depois da destruição do Primeiro Templo.
- Conquista pelos Gregos - conquista do império Aqueménida por Alexandre o Grande, incluindo Jerusalém e Judeia em 332 a.c., ficando depois sob controlo do Reino Ptolemaico de Ptolomeu I (que se tornou Sátrapa do Egipto após a morte de Alexandre o Grande em 323 a.c.).
- Conquista pelos Selêucidas - em 198 a.c. Ptolomeu V perdeu Jerusalém e a Judeia para o Império Selêucida sob Antíoco III.
- Conquista pelos Macabeus - A tentativa de retomar Jerusalém do domínio grego teve sucesso em 168 a.C. com a bem sucedida revolta macabeia de Matatias, o Sumo Sacerdote e os seus cinco filhos contra Antíoco Epifânio, e a criação do Reino Asmoneu em 152 a.C., novamente com Jerusalém como capital.
- Conquista por Tito - em 70 d.c., marcante pela destruição do segundo Templo (com excepção de um interregno de 70 anos entre o primeiro e o segundo templos, os dois templos haviam permanecido ali durante mil anos) que havia sido completamente renovado poucas décadas antes pelo rei Herodes.
- Conquista por Simon Bar Kohba - com a revolta de Bar Kohba contra o imério romano em 132 d.c., Simon Bar Kohba (judeu) governara a cidade durante dois anos e meio.
- Conquista por Adriano - em 134 d.c. às forças de Simon Bar Kohba. Jerusalém foi arrasada e substituída por uma cidade romana, Aelia Capitolina. Os judeus foram proibidos de entrar na cidade, uma lei que se manteve em vigor quase até à conquista desta pelos muçulmanos. A Judeia ficou devastada. Houve uma migração maciça para as terras do outro lado dos rios Tigre e Eufrates e para a Babilónia. Entre os séculos IV e VI deu-se a transição de império Romano a império Bizantino, caracterizado por uma orientação à cultura grega e a adopção do cristianismo ortodoxo (mantendo-se a proibição sobre a entrada de judeus na cidade).
- Conquista pelos Persas (Sassânidas) - em 614 d.c. arrebatam Jerusalém ao império Bizantino, no entanto em 630 o rei bizantino Héracles vence os persas e reconquista a Terra Santa.
- Conquista pelos Árabes - em 638 d.c. o Califa Omar ibn an-Khattab conquista aquela que ainda se chamava Aelia Capitolina. Os judeus podem finalmente voltar a entrar na cidade, assegurando também protecção aos lugares sagrados cristãos e à população cristã.
- Conquista pelos Cruzados - em 1099 d.c. que massacram a maior parte dos habitantes muçulmanos e judeus.
- Conquista por Saladino - a cidade é arrancada aos cruzados e volta a cair nas mãos dos árabes em 1187, permitindo estes que os judeus e os muçulmanos pudessem voltar e morar na cidade. Em 1244 foi saqueada pelos tártaros corásmios. Entre 1250 e 1517, Jerusalém foi governado pelo Sultanato Mameluco.
- Conquista pelo Império Otomano - aos mamelucos, em 1517, por Selim I o Cruel (vinte e quatro anos depois de os judeus terem sido expulsos de Espanha). O seu filho Solimão o Magnífico, para além de reduzir os impostos cobrados a judeus e cristãos, entre muitas e profundas obras construiu uma grande muralha que rodeava a cidade e que ainda hoje se conserva.
- Conquista pelos Britânicos - aos Otomanos, em 1917 e face à derrota do Turcos na Grande Guerra a que se seguiu a desintegração total do poderio otomano. Em 1922, a Liga das Nações confiou ao Reino Unido a administração da Palestina. Terminava o Mandato Britânico e pretendia implementar-se o Plano de Partilha das Nações Unidas, mas eclodiu a guerra de 1948 e Israel declarou a independência; Jerusalém foi dividida entre Israel e Jordânia (então Cisjordânia).
- Conquista pelos Israelitas (de Jerusalém Oriental) - aos Árabes, em 1967, com a Guerra dos Seis dias.

O livro fica disponível para quem o queira ler.

Pode ser que alguém aprecie mais este género do que eu. Para tal, nada melhor que dar-lhe asas.
Vai ficar na little free library do Menina e Moça Bar, por ocasião de um encontro entre BCers.

Are you sure you want to delete this item? It cannot be undone.