Caderno afegão

by Alexandra Lucas Coelho | Travel |
ISBN: 9789896710071 Global Overview for this book
Registered by irus of Bragança, Bragança Portugal on 3/19/2014
Buy from one of these Booksellers:
Amazon.com | Amazon UK | Amazon CA | Amazon DE | Amazon FR | Amazon IT | Bol.com
4 journalers for this copy...
Journal Entry 1 by irus from Bragança, Bragança Portugal on Wednesday, March 19, 2014
"Eu nunca fui a Cabul. Nem a Jalalabad, nem a Kandahar, nem a Mazar-i-Sharif. Conheço estes nomes das notícias e que me lembre nunca os terei ouvido por boas razões. (...) Conseguimos imaginar a noite demasiado escura de Jalalabad. Conseguimos imaginar homens de barba e mulheres de burqa. Conseguimos até imaginar o cheiro a lixo às portas de Herat, onde «cheira tão mal como se tudo estivesse podre». Já não seremos capazes de imaginar uma família como a de Shaharzad, «uma casa tão pobre que estrela ovos numa bilha de gás, mas tão rica que lê os filósofos sufis e Wittgenstein». Como não imaginamos, no país das burqas e da sharia, uma equipa feminina de boxe treinada por um jovem afegão regressado da América. Nem imaginamos, entre o cheiro a lixo, o perfume a rosas. (...) É preciso ir lá. É preciso que nos levem lá. E é preciso coragem: para ver as crianças de espinha bífida no hospital de Kandahar; para andar à boleia em aviõenzinhos que quase permitem tocar com os dedos o cume das montanhas; para ouvir dizer na língua dos pashtun que aquilo mais lhes falta é amniat - sabendo que amniat significa segurança - e ainda assim continuar, querer conhecer gente, tomar notas, correr riscos, ver, ouvir, dar a ler. Este livro é um acto de coragem. É um acto de optimismo, também. (...) É esse optimismo que permite a Alexandra Lucas Coelho afastar quaisquer receios com uma espécie de fatalismo paradoxalmente empreendedor: «não há nada a fazer». Mesmo quando por instantes se lhe infiltra na mente a dúvida acerca do conhecido que a certa altura a transforma, sabe-se lá para onde, numa terra onde «um estrangeiro é um acepipe». «Não há nada a fazer.» E a viagem continua. (...)" - Carlos Vaz Marques, no prefácio do livro

Journal Entry 2 by irus at Bragança, Bragança Portugal on Wednesday, March 19, 2014
Não é imprescindível, mas é bom acompanhar a leitura do livro com as imagens dos locais e das pessoas retratadas, aqui: http://www.cadernoafegao.tintadachina.pt/

Registado para dar a conhecer à marialeitora a escrita da Alexandra.
A viagem continuará até à conto, que o fará regressar a casa.

Journal Entry 3 by marialeitora at Vila Real, Vila Real Portugal on Friday, March 21, 2014
Chegou! Apanhou-me na Birmânia (ou Myanmar) onde andei a acompanhar o afinador de pianos. :) Vou continuar viagem com a Alexandra!
Obrigada, Irus

Journal Entry 4 by marialeitora at Vila Real, Vila Real Portugal on Friday, April 11, 2014
"Não há nada a fazer" :) uso a mesma expressão da Alexandra para dizer que...pois bem insisti mas, não há nada a fazer, o livro não me entusiasmou por aí além. Gostei de acompanhar com as fotos do blog mas se não fosse isso creio que me teria desiludido...
segue para a conto!
De qualquer forma, obrigada, Irus. Vou insistir mais um bocadinho com o próximo!

Journal Entry 5 by wingcontowing at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Monday, April 21, 2014

Chegou, para maior da tranquilidade da marialeitora, que estava já a ficar ansiosa. :)

Mesmo com a desistência dela, tenho alguma expectativa. Apesar de tudo, é escrito pela Alexandra e... que bem que ela escreve!
Por outro, há a perspectiva de futuras viagens a solo e a leitura das de outros vão-me dando paciência para a espera por vezes demasiado ansiosa.


Obrigada pelo envio maria, e pelo empréstimo irus.

(PS- o envelope vinha com uma grande mancha que parecia de algo engordurado, mas para o caderno, se não estava lá antes, apenas passou uma manchinha pequena na lombada e como aqui não parece já de gordura mas de tinta, nem acho que lhe fique mal, ali ao pé do "sinete" tinta da china)

Journal Entry 6 by marialeitora at Vila Real, Vila Real Portugal on Tuesday, April 22, 2014
Oh! :(

ainda bem que não engordurou o caderno...acho que a mancha de tinta já tinha.
Lamento, Irus...desculpa

Journal Entry 7 by wingcontowing at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Tuesday, April 22, 2014
Acho que nos correios tudo pode acontecer e sabemos que pode sempre suceder algo aos livros que pomos a caminho desta forma. Mas no caso não foi mesmo nada de grave, aparentemente, não te(se) preocupes(m), a sério!

Journal Entry 8 by wingcontowing at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Tuesday, May 13, 2014
Ainda a um terço de terminar:

"Escreveu Robert Byron em 1933, quando chegou a Herat, vindo da Pérsia: «De vez em quando um capuz de apicultor com uma janela no cimo atravessa a cena. Isto é uma mulher.» (...)
Ainda não encontrei descrição melhor para uma burqa. Um capuz de apicultor até aos pés."

"Rebentamentos e helicópteros Apache, mas crianças a tomar banho no braço do rio. Porque não? Está calor. E tudo aqui é tão menos assustador por ser a vida de todos os dias. Cabul parece perigoso visto da Europa, depois Kandahar parece perigoso visto de Cabul, depois Arghandab parece perigoso visto de Kandahar. E no fim de tudo há sempre homens que vendem bebidas de lata ou têm pomares, homens e crianças descalças a tentarem viver num país sacudido por 30 anos de guerra fria e quente."

Journal Entry 9 by wingcontowing at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Thursday, June 12, 2014
Já terminei este livro há mais de uma semana, mas estava numa fase difícil com muitas horas de computador por dia e não conseguia fazer mais do qe o estritamente necessário.

No entanto, e apesar de todo o tempo que o demorei a ler, gostei muito, mesmo muito deste livro.

A autora continua a não desiludir e, para além de gostar muito da forma como escreve, fica patente neste livro a garra que tem e que é admirável. Por ex.:
"(...) vou ter com uma afegã que trabalha como quadro superior para uma organização americana. O nome dela foi-me dado por um amigo. (...) tudo no meu plano lhe pareceu difícil - arranjar alojamento, comunicar com as pessoas, viajar de um lado para o outro. E com o meu orçamento, mais que difícil - impossível. Como é que eu, que nunca tinha estado no Afeganistão, pensava que as coisas podiam ser assim tão fáceis?, tinha eu ideia da violência, da dificuldade, dos preços? Não me deu nenhuma sugestão concreta. Todas as suas sugestões diziam: esqueça.
Há pessoas assim. Fazemos as coisas apesar delas."

Por outro, a apesar de tudo (e este tudo é imenso, incomensurável), faz-nos ter vontade de conhecer aquele mundo, aquelas gentes. E essa vontade vem do optimismo de que fala o Carlos Vaz Marques no prefácio.

É assim um livro que se lê, de seguida, pelo prazer de ler, mas que nos ajuda a entender a complexidade da "questão afegã" sendo literal e literariamente um livro de viagens.

Muito obrigada irus, por me dares a conhecer mais este pedaço da ALC. Segue já para cima este fim de semana, comigo nas dobras do envelope, ok? ;)


(foto retirada da página de fotografias do livro)

Journal Entry 10 by Maria-Nunes at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Tuesday, June 17, 2014
pronto! afinal seguiu de novo para Lisboa comigo (e à boleia da conto) ;-)

gostei tanto do outro livro da ALC que estou muito ansiosa por ler este (já comecei, mas ainda só li o prefácio)

Journal Entry 11 by Maria-Nunes at Lisboa - City, Lisboa (cidade) Portugal on Thursday, July 03, 2014
Gosto imenso da escrita da ALC; já tinha lido "Oriente Próximo".
Amei ambos; são tipos de livro diferentes, mas a escrita da Alexandra está lá e é maravilhosa.
Deu-me imenso prazer ler este Caderno e fui seguindo as fotos (cadernoafegao.tintadachina.pt)à medida que ia lendo o livro.
Quando cheguei ao fim pensei "o quê? ela já se vai embora? que pena!" não queria mesmo que o livro acabasse ...
muito obrigada pelo empréstimo, irus! (manda-me a tua morada por PM, ok?)
um grande abraço!

Journal Entry 12 by irus at Bragança, Bragança Portugal on Tuesday, July 15, 2014
E regressou a casa, para descansar na prateleira até que alguém tenha vontade de viajar até ao Afeganistão nas palavras da Alexandra

Are you sure you want to delete this item? It cannot be undone.