corner corner Já é Fevereiro, o que estão a ler? Ou estão a hibernar?

Forum | << Portuguese - Português | Refresh | Search

corner corner

Sort Options Toggle Stats Options


Profile Image

Já é Fevereiro, o que estão a ler? Ou estão a hibernar?

A pergunta da praxe, agora que estão por aí a hibernar. Lêem e dormem em simultâneo? Uau! Digam-me lá como se faz.

Eu continuo com as mesmas leituras das últimas semanas, i.e.:
- Chiron and the Healing Journey", de Melanie Reinhart
- A Vida no Campo, de Joel Neto (ao qual dei um grande adianto, nestes dias de enxaqueca :-/)
- Sky Burial, de Xinran

E vocês? Confessem-se, vá :-)

Complete Thread

Profile Image
A pergunta da praxe, agora que estão por aí a hibernar. Lêem e dormem em simultâneo? Uau! Digam-me lá como se faz.

Eu continuo com as mesmas leituras das últimas semanas, i.e.:
- Chiron and the Healing Journey", de Melanie Reinhart
- A Vida no Campo, de Joel Neto (ao qual dei um grande adianto, nestes dias de enxaqueca :-/)
- Sky Burial, de Xinran

E vocês? Confessem-se, vá :-)
Profile Image
Comecei hoje, prenda de Natal de ichigochi.
Profile Image
Acabei hoje Quanto mais depressa ando, mas pequena sou, de Kjersti Annesdatter Skomsvold, um pequeno livro que tanto nos faz dar saborosas gargalhadas como, logo a seguir, nos deixa tristes. A narradora é uma mulher muito velha (quase 100 anos, diz ) que, no fim da vida se dá conta de que ninguém vai pela sua falta, tal como ninguém deu por ela ao longo de todos os anos que viveu. É uma pessoa inadaptada, com graves problemas de socialização, que evita sair de casa ou de falar com outros, mas tem uma profunda noção de quem é e das suas falhas. Se o virem por aí, não percam, é uma perolazinha.

Entretanto, estou quase a acabar uma releitura: A morte melancólica do rapaz ostra e outras estórias, de Tim Burton, que li há anos através de um ring e agora resolvi oferecer ao caçula. Outro livro sobre inadaptados como são todas as personagens de Tim Burton.

Antes de jantar, comecei O que diz Molero, de Machado de Assis, mais um livro trazido da biblioteca.
Profile Image
Acabei hoje Quanto mais depressa ando, mas pequena sou, de Kjersti Annesdatter Skomsvold,


Fiquei com curiosidade depois de a maria ter vindo cá falar dele, há "bués". Talvez um dia o agarre, algures.
Profile Image
que recebi por aqui num Ring e estou ansiosa por começar! =D

De resto, bem gostava eu de hibernar, a ouvir esta chuvinha, mas há outras obrigações que se levantam! :o
Profile Image
Mas também não sei como é possível ler com dores de cabeça, essa terás de ser tu a ensinar! :)

Eu terminei o grande "Reading Lolita in Tehran", um livro que me fascina pela segunda vez que o leio, tanto na abordagem à vida nas primeiras décadas da revolução islâmica como na análise de clássicos da literatura de língua inglesa.

Agora comecei outra releitura, o Samarcanda de Amin Maalouf, um dos livros da minha vida de que já quase só me lembro que adorei.
E para começo de conversa, inicia-se com um belíssimo robayat de Omar Khayyam:
"Que homem jamais transgrediu a Tua Lei, diz-me!
Uma vida sem pecado, que gosto tem ela, diz-me!
Se punes pelo mal o mal que eu te fiz,
Qual é a diferença entre Ti e mim, diz-me!"
Profile Image
Há um livro que se chama "O tempo entre costuras", de María Dueñas. Eu é mais "O tempo entre enxaquecas", mas é só nesta época "invernosa", de céu baixo e reflexos fortes.

Também gosto muito do sr. Maalouf. Esta passagem que deixas aqui é deliciosa! Mas o meu favorito até agora acho que foi o "Jardins de Luz". De qualquer forma, a memória já não é o que era :-)
Profile Image
Há um livro que se chama "O tempo entre costuras", de María Dueñas.
A sério? Eu via uma série com esse nome, que passou há uns anos... baseada num livro, pois, faz sentido :)
Eu é mais "O tempo entre enxaquecas", mas é só nesta época "invernosa", de céu baixo e reflexos fortes.
Xi pá, a sério? Que terrível, não te invejo nadinha. Ainda me lembro de as ter em jovem. Depois passou, graça-s'a-zeus!
Profile Image
decidi que queria voltar a ler livros de aventuras como quando era cachopo e, à falta de Emilio Salgari e Edgar Rice Burroughs, estou a ler aThe Thrwn Trilogy do Timothy Zahn. Surpreendentemente bom.
Profile Image
Eras um cachopo muito avançado. Eu lia o Jules Verne e a Agatha Christie :-)
Profile Image

2

ou, se calhar mais...

1- Breviário das más inclinações- de José Riço Direitinho
2-A doença, o sofrimento e a morte entram num bar- Ricardo Araújo Pereira

ambos recomendáveis

e o ALA em dose dupla (mas mais devagarinho que ele exige muito de mim...) :)

e da Margarida Carvalho nos "olhos de gato" , a gostar...

Profile Image
Tive que interromper a escalada durante uma semana, mas agora estou de regresso.

Entretanto, comecei Wildwood: A Journey Through Trees, de Roger Deakin. É um daqueles livros ingleses sobre história natural, neste caso particularmente focado nas árvores, florestas, e na relação do homem com elas ao longo da história. Muito interessante, embora alguns capítulos sejam demasiadamente focados na realidade inglesa.
Profile Image
"Lisboa Triunfante", mais um livro de David Soares que estou a adorar. :)

Depois vou ler um manuscrito do meu próprio pai, inteiramente focado na política brasileira. Até tenho medo...
Profile Image
Uma história interessante, mas a escrita não me encheu as medidas.
Continuo com "A vida no Campo", de Joel Neto (já não falta muito).

E vou iniciar um livro do meu compadre Jorge Varela Palhas: "O Ancião", uma história passada entre a Beira-Baixa e a ilha do Pico, onde ele mora agora. Gosto muito do que ele escreve. Vamos lá a ver como se saiu neste :-)
Profile Image
Um livro infantil, "O Fantástico Senhor Raposo", Roald Dahl. Comecei hoje, e é tão pequenino, que vou acabar hoje. Ando numa de leituras leves.
Profile Image
que estive quase, quase a largar, por ser uma edição pior que má. É daqueles da colecção que foi vendida pela Sábado aqui há uns anos; cheguei a ir comparar com outra edição numa livraria, só para ter a certeza que não era mania minha! De início tropeçava a cada duas frases em sintaxes estranhas e palavras esquisitas, mas depois consegui ultrapassar e não me focar tanto nisso.
O que é engraçado é que, ao contrário do que tinha sucedido há tantos anos atrás (este foi o primeiro Maalouf que li, na adolescência) desta vez foi a segunda parte do livro, passada na viragem do século (XIX para XX) que mais me encantou e menos a primeira, que acompanha a vida de Omar Khayyam no séc. XI.
E desta vez acompanhei a leitura com consultas complementares e a quase integral leitura do muito bom "Iran empire of the mind - a history from Zoroaster to the presente day" de Michael Axworthy, para melhor acompanhar a realidade por trás da ficção.
Acabou assim por ser uma leitura muito compensadora.
Profile Image
É daqueles da colecção que foi vendida pela Visão aqui há uns anos;


A Visão ou a Sábado?

É que tenho a edição que foi vendida com a Sábado e se a tradução é assim tão má, ponho-o já a andar... É um livro que tenho muita curiosidade em ler e não quero que a experiência seja estragada por uma má tradução...
Profile Image
É daqueles da colecção que foi vendida pela Visão aqui há uns anos;


A Visão ou a Sábado?

É que tenho a edição que foi vendida com a Sábado e se a tradução é assim tão má, ponho-o já a andar... É um livro que tenho muita curiosidade em ler e não quero que a experiência seja estragada por uma má tradução...

A Sábado sim, tens toda a razão. Vou já corrigir ali abaixo.
E sim, se tiveres hipótese lê outra edição.
Agora sei em definitivo que este livro me marcou tanto por ter sido o primeiro que dele li e quando era ainda muito novinha. Ele tem realmente obras melhores mas é ainda assim um bom livro, para quem gosta de ficção histórica.
Profile Image

Bom

Parece que gorei os meus planos de leitura. :p

Ontem acabei por ler todo inteiro no novo do VHM, "Homens Imprudentemente Poéticos", que achei uma confusão medonha e que revela uma falta de pesquisa absolutamente chocante. Eu que gostava tanto deste autor, parece que agora o homem deixou de saber escrever e só faz coisas malucas...

Portanto, agora de seguida vou ler uma BD, "Daytripper" de Fábio Moon e Gabriel Bá.

Depois, SIM, vou ler o manuscrito do meu pai. Já lhe dei uma vista de olhos e fiquei assustada. D:

E depois, penso eu, irei ler a Obra Essencial de Mário Sá-Carneiro, uma prenda de Natal. :)
Profile Image
de Miguel Miranda.
Profile Image
Iratan e Iracema, os meninos mais malcriados do mundo, de Olavo d'Eça Leal, publicado em 1939.

E quase a terminar O que diz Molero, uma bela surpresa.
Profile Image
A Vida no Campo, de Joel Neto, do qual gostei bastante, e comecei então O Ancião, do meu amigo Jorge Palhas, curiosamente também a viver nos Açores; uma dobradinha açoriana, portanto :-) Quanto a'O Ancião, já vou a meio, mas devo confessar que gostei mais dos outros livros mais autobiográficos. Mas lê-se bem.
Comecei também (FINALMENTE) Hereges, de Leonardo Padura, mas o livro requer todo o tempo para ele, por isso, vou atirar-me ao bicho em exclusivo, logo que termine o tal Ancião (não vai tardar muito, com certeza)
Profile Image
mas por vezes o ar rarefeito das zonas altas causa-me um certo torpor , e então, para desenfastiar, comecei A mais bela história das plantas, de Jea-Marie Pelt (et. al). É uma espécie de ensaio, sob a forma de entrevista, acerca da evolução das plantas. Mas na 6ª feira passei uma vergonha, à conta deste livro. Estava eu num sítio muito selecto, à espera do início de um espetáculo, quando me dá um ataque de riso, ao ler o seguinte:
"Na flor, tudo visa a seduzir. Aliás, só raramente se oferece um ramo de abeto ou um braçado de fetos... - Essa questão interessava muito ao abade Oraison, que era também psicanalista. Ele admirava-se de podermos dar como prenda a alguém os órgãos sexuais de plantas, quando afinal não viria à cabeça de ninguém oferecer um pénis de cão aos donos de uma casa onde se vai jantar!"
Balha-nos Deus, por onde andava a cabecinha do abade...
Profile Image
"Na flor, tudo visa a seduzir. Aliás, só raramente se oferece um ramo de abeto ou um braçado de fetos... - Essa questão interessava muito ao abade Oraison, que era também psicanalista. Ele admirava-se de podermos dar como prenda a alguém os órgãos sexuais de plantas, quando afinal não viria à cabeça de ninguém oferecer um pénis de cão aos donos de uma casa onde se vai jantar!"
Balha-nos Deus, por onde andava a cabecinha do abade...


Muito menos um bouquet :)
Profile Image
"Na flor, tudo visa a seduzir. Aliás, só raramente se oferece um ramo de abeto ou um braçado de fetos... - Essa questão interessava muito ao abade Oraison, que era também psicanalista. Ele admirava-se de podermos dar como prenda a alguém os órgãos sexuais de plantas, quando afinal não viria à cabeça de ninguém oferecer um pénis de cão aos donos de uma casa onde se vai jantar!"
Balha-nos Deus, por onde andava a cabecinha do abade...


Muito menos um bouquet :)

Uma mata e a outra esfola!
Bocemecêses, francamente...
Profile Image
(releitura, melhor dizendo): O Pride and Prejudice da Jane Austen, resquícios ainda da leitura do "Reading Lolita in Tehran".
E de novo, uma leitura compulsiva. Gosto daquilo, prontuS.
Profile Image
Ao contrário da Pequete?!
Pois fique sabendo que isto que estou a ler é ciência, minha senhora, ciência!
Profile Image
Ao contrário da Pequete?!
Pois fique sabendo que isto que estou a ler é ciência, minha senhora, ciência!

Por isso mesmo. Desde quando é que a ciência é coisa própria? Não por acaso te envergonhaste ao ler sobre os órgãos sexuais das plantas num local público selecto, oras!
Profile Image
Um livro que trouxe de Buenos Aires em 2011 e que li agora que estou quase quase a voltar a Buenos Aires :-)
Gostei imenso!
Profile Image
de Zélia Gattai, que generosamente me foi oferecido aqui no BC :-)
Profile Image
que conta a vida do Xá Naser (contemporâneo da Rainha Victória) "diz que" ao estilo do épico persa de Ferdowsi mas que francamente me está a deixar muito desiludida, até porque me foi bem recomendado. Lê-se rápido mas é fraquito :(
Profile Image
que conta a vida do Xá Naser (contemporâneo da Rainha Victória) "diz que" ao estilo do épico persa de Ferdowsi mas que francamente me está a deixar muito desiludida, até porque me foi bem recomendado. Lê-se rápido mas é fraquito :(

Ainda em Fevereiro terminei então este "The King". Podem querer fazê-lo parecer um épico Ferdowsiano, ao estilo do seu Shahnameh (o "Livro dos Reis" escrito no virar do primeiro milénio) ou uma alternativa às Mil e Uma Noites o quanto quiserem que a mim não me convencem, até porque quem dera ao Abdolah ter toda essa mestria.
No entanto, o que mais me incomodou foi ter-me sido "vendido" como ficção histórica (e bem poderia sê-lo, já que se "apropria" da vida de um Xá que existiu de facto, de seu nome Naser al-Din Shah Qajar e que reinou na Pérsia na segunda metade do século XIX, assim como de uma série de outras personagens, quer da família e/ou próximos do poder, quer de estrangeiros) quando afinal vem alterar, ampliar, reduzir, re-escrever factos reais. Na ficção histórica, a meu ver, a ficção deve preencher os espaços em branco, ficcionar o que não se sabe, mas não alterar e/ou modificar a história como acontece neste livro.
Verdade seja dita o autor refere logo na introdução, que é o que fará, tal como antes se fazia: "In the tea houses of Persia, tales of the ancient kings have been the constant of storytellers for the last thousand years. The storytellers played fast and loose with chronology and gave their fantasy free rein so the history they depicted would be strong and colourful. They relocated events, made the occasional omission and sometimes added a thing or two (...)" mas que caneco, não estamos a falar dos reis de que Ferdowsi escreveu, desde o início dos tempos até à conquista islâmica do séc. sétimo, estamos a falar do fim do século dezanove e início do século vinte!!!
Embirrações à parte e seja como for, acompanhando a leitura com consultas frequentes ao já anteriormente referido "Iran - Empire of the Mind " de Michael Axworthy e na net, não deixou de ser uma leitura instrutiva, ainda qua ao estilo "descubra as diferenças" :)
Profile Image
Reading Lolita in Tehran, Azar Nafisi

Movement matters, Katy Bowman (essays on movement science, movement ecology and the nature of movement). Este foi-me enviado por uma amiga, que nem imagina como chega numa altura em que me muito a apetecer pôr os pés ao caminho (literalmente). Acho que vai ser um bom impulso.
Profile Image
Acabei ontem uma Manga: "Ristorante Paradiso", de Natsume Ono. Comecei por estranhar aquela coisa de ler do fim para o princípio e da direita para a esquerda, mas depois o cérebro lá fez o "shift" e o "upgrade" da App e consegui sem problemas. Gostei muito da experiência, embora acredite que há obras melhores da autora.
Profile Image
As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café (Agnes Martin-Lugand)[BCID: 869-14403314];
Profile Image

Terminei

O Sá-Carneiro, que achei fascinante. Entretanto li "As Aventuras do Barão de Munchausen", que o joaquimponte me cedeu depois de ter visto o meu comentário sobre o filme.

Agora estou a ler "O Meu Irmão", de Afonso Reis Cabral, que recebi na troca de Natal aqui do BC: :) Estou a gostar muito, por enquanto, mais ainda vu muito no início
Profile Image
de Terry Pratchett, o 2º da série Discworld.

Estou a gostar TANTO! Sobretudo desde que encontrei a série no original (o 1º volume li numa tradução brasileira, que é bastante boa, mas este humor inglês sabe mesmo bem é no original).

Só um cheirinho:

The preparations normally took several hours, but the combined powers of the senior wizards shortened it considerably and, after a mere forty minutes, Galder chanted the final words of the spell. They hung in front of him for a moment before dissolving.

The air in the centre of the octogram shimmered and thickened, and suddenly contained a tall, dark figure.

Most of it was hidden by a black robe and hood and this was probably just as well. It held a long scythe in one hand and one couldn't help noticing that what should have been fingers were simply white bone.

The other skeletal hand held small cubes of cheese and pineapple on a stick.

WELL? said Death, in a voice with all the warmth and colour of an iceberg. He caught the wizards' gaze, and glanced down at the stick.

I WAS AT A PARTY, he added, a shade reproachfully.

'O Creature of Earth and Darkness, we do charge thee to abjure from—' began Galder in a firm, commanding voice. Death nodded.

YES, YES, I KNOW ALL THAT, he said. WHY HAVE YOU SUMMONED ME?

'It is said that you can see both the past and future,' said Galder a little sulkily, because the big speech of binding and conjuration was one he rather liked and people had said he was very good at it.
Profile Image
É de um autor norte-coreano escrito sob o pseudónimo Bandi (pirilampo em coreano) e em sete contos mostra-nos um pouco daquele país absolutamente surreal que nos deixa atónitos com a possibilidade de (continuar a) existir....

“(…)
Vivo na Coreia do Norte há cinquenta anos,
Como um autómato que fala,
Como um homem preso por um jugo.
Escrevi estas histórias
Impelido não pelo talento,
Mas pela indignação,
E não usei uma pena e tinta,
Mas os meus ossos e as minhas lágrimas de sangue.
(…)”
Profile Image
Eu ando a ler os livros do Astérix (autoria de Goscinny e Uderzo). Muito divertido, mas histórias com pés e cabeça bastante interessantes, o que de certa maneira me tem surpreendido! Vou no quinto volume!
Profile Image

Goethe

«As afinidades electivas».

Não fica tão bem?

E tenho hibernado, sim. O que li em Janeiro não me lembro. Estou a achar este Outono-Inverno muito curto e faz-me impressão
Profile Image
Um livro francês da nossa era.

Já o queria ler há imeeenso tempo, então quando o vi num bar onde costumo ir que também é livraria, aproveitei a oportunidade. Mas as minhas expectativas estão a sair absolutamente frustradas :(
Profile Image
yap...romancezinho cor-de-rosa... :(
Profile Image
Livro que me veio parar às mãos de firma um pouco inusitada. Se calhar no fim do livro já conseguirei comunicar com os ditos cujos...
Profile Image
De Kardec, suponho :-)
Profile Image
Precisamente. Já tinha lido outro livro do autor (sobre o mesmo tema) e por isso um amigo da minha mãe associado a esta crença ofereceu-me este com uma grande dedicatória. Na verdade, apesar de certamente o livro não me vir a converter em nada de especial, estou a gostar muito de o ler. Está muito bem escrito e, só por isso, vale a pena :)
Profile Image
de Lucía Gálvez, que li muito rapidamente, é um ensaio; é um livro muito interessante que nos conta, através dos romances de figuras nacionais argentinas, a história da Argentina.
Gostei muito (e aprendi muitas novas palavras) :-D
Profile Image
"A la deriva y otros cuentos"
Estou, portanto, imersa na literatura argentina :-)
(Embora H.Q. tenha nascido no Uruguay, é considerado um escritor argentino)
Profile Image
Mesmo no finzinho do mês, revelo-vos que... TERMINEI a TBR!!!

(Outra vez :p )

No entanto, não se preocupem! Já obtive uma nova pilha TBR, roubando todos os livros da minha irmã que ainda não tinha lido. São apenas 13, o que é um bom número. :p

Portanto, agora vou começar "A Frágil Doçura do Bolo de Limão". :)
Profile Image
Tu não existes, rapariga...
Profile Image
que é o 3º volume da série Discworld, do Terry Pratchett.
A-do-rei...

Are you sure you want to delete this item? It cannot be undone.